GOVERNO DE PERNAMBUCO

CLIQUE NA IMAGEM E SAIBA MAIS

UNIMED AGRESTE MERIDIONAL

CLIQUE NAS IMAGENS E CONFIRA DESTAQUES DO BLOG

DIVULGUE SUAS ATIVIDADES NO BLOG DO RONALDO CESAR

DIVULGUE SUAS ATIVIDADES NO BLOG DO RONALDO CESAR

domingo, 10 de julho de 2016

Rotary Sete Colinas dá posse a novo Conselho Diretor em Garanhuns


Entrada das bandeiras marcou início da solenidade do Rotary Sete Colinas

Nivaldo Azevedo se despediu da presidência recebendo companheiros do clube e amigos

Á mesa, além dos presidentes do clube, ainda a representante do Rotaract (Claudiane Silva) e do Lions Cidade das Flores

Companheiros, amigos e familiares prestigiaram a solenidade

Novo presidente, Clelson Melo, deu posse ao Conselho Diretor

Lions Cidades das Flores e Rotary Sete Colinas, presidentes e esposas

Novo Conselho Diretor do RC Sete Colinas

Lola e Dona Mariquinha, dentre os convidados da cerimônia


Estivemos na última sexta-feira (08/07) na reunião solene do Rotary Club Garanhuns Sete Colinas, onde aconteceu a posse do novo Conslho Diretor para o ano 2016/2017, que terá a presidência do jovem Clelson Melo. A cerimônia presidida por Nivaldo Azevedo, foi bastante descontraída, e reuniu vários amigos e companheiros do clube, a exemplo de Neide Brandão, Fernando Luna, Carlos Adriano, Alberto Madeira, Alfredo Gois, dentre outros.

O encontro aconteceu no Restaurante Napolitana, e estivemos representando o Lions Clube Cidade das Flores, além de prestigiarmos tantos amigos no clube de serviço parceiro de nossa cidade, e que já trazem em seus nomes o carinho por Garanhuns.

Desejamos muito sucesso no ano de serviço Rotariano.

Fotos: Fernando Luna e Lola.

Gestão 2016-2017. Presidente Clelson Melo. Vice Presidente: Ângelo Buarque; Secretário: Paulo Jorge Valença; Tesoureira: Ruth Rabelo; Protocolo: Alfredo Goes. Comissões: Fundação Rotária: Neide Brandão; Administração: Carlos Adriano; Social: Leonardo Tenório; Imagem Pública: Haeckel Fernando Luna; Projetos Humanitários: José Bezerra.

100 ANOS DA ELEIÇÃO DE 1916 EM GARANHUNS. Briga política acabou em 16 assassinatos!!

Disputa entre Rocha Carvalho e Júlio Brasileiro foi significativa para a Hecatombe de Garanhuns!



Por José Cláudio Gonçalves de Lima

Neste domingo, dia 10 de julho, completa um século de uma das mais acirradas e disputadas eleições do município de Garanhuns. 

A Comissão do Memorial da Hecatombe e o Instituto Histórico e Geográfico de Garanhuns, para relembrar esse momento histórico que antecedeu a Hecatombe de Garanhuns, estão promovendo a exposição da eleição de 1916, que traz ao público registros iconográficos, lista de eleitores e uma urna do início do século XX. A exposição já está aberta ao público e poderá ser visitada nos horários das 8:00h às 12:00 horas e das 14:00h às 17: 00 horas. 

A DISPUTA ELEITORAL EM GARANHUNS EM 1916. 

A eleição para a sucessão do governo municipal de Garanhuns aconteceria em 10 de julho de 1916. A disputada eleitoral seria marcada por duas cisões no situacionismo, na esfera estadual o Governador Manoel Antônio Pereira Borba havia rompido com o general Dantas Barreto, enquanto em Garanhuns o prefeito Francisco Vieira dos Santos, eleito em 1913 com o apoio do tenente-coronel Júlio Brasileiro havia se afastado da ala Julista passando a fazer oposição ao mandatário político. Diante desse rompimento político estadual e municipal, Manoel Jardim, Francisco Veloso, Sátiro Ivo, Argemiro e Júlio Miranda, grupo Jardinista e que estavam afastados da política decidem apoiar na disputa local para prefeito o Dr. José da Rocha Carvalho e Subprefeito Dr. Antônio Borba Junior. O tenente-coronel Júlio Brasileiro, então deputado estadual, temendo uma derrota, resolve lançar a sua candidatura a Prefeito, tendo como companheiro de chapa e candidato a Subprefeito o capitão Thomaz da Silva Maia. 
Instituto Histórico de Garanhuns

Durante a campanha, o capitão Francisco Sales Vila Nova, oposicionista, denunciava através de notas pagas nos jornais da Capital os excessos de violências cometidas por parentes e correligionários de Júlio Brasileiro, revelando que cruzes negras estavam sendo colocadas nas casas dos adversários políticos e que uma lista negra estava sendo preparada com os nomes dos oposicionistas para que logo após a vitória de Júlio Brasileiro todos fossem surrados a cipó-de-boi numa sessão de três carrascos para cada um. 

A campanha eleitoral transcorreu nesse clima de insegurança e algumas casas dos adversários políticos de Júlio Brasileiro foram emporcalhadas com fezes humanas, entre elas a do major Sátiro Ivo. 

Comissão da Hecatombe, com representantes de instituições
 e familiares dos personagens envolvidos
Realizada a eleição em 10 de julho, os resultados das urnas foram esmagadoras, o tenente-coronel Júlio Brasileiro obteve 1.114 votos, enquanto o seu adversário Dr. Rocha Carvalho 428 votos. A vitória da ala dominante foi acintosa e extensivamente comemorada por parentes, amigos e correligionários, contudo, a eleição foi anulada, pois de acordo com a lei eleitoral o tenente-coronel Júlio Brasileiro era inelegível, pois seu mandato de deputado só terminaria em novembro daquele ano, o que lhe impediria de concorrer ao cargo de Prefeito, também as denúncias de títulos eleitorais duplicados contribuíram para a anulação do pleito. Mediante os protestos da oposição, o Governador Manoel Borba acabou encontrando um estratagema político para tentar agradar os antagônicos, marcar uma nova eleição para 07 de janeiro de 1917 e transparecer aos opositores uma posição de imparcialidade no processo. Doutor Rocha Carvalho diante da resolução governamental decidi retirar a sua candidatura da disputada. 

No domingo, 07 de janeiro de 1917, realizasse a nova eleição, havendo manifestações nas seções eleitorais, lideradas pelo capitão Sales Vila Nova, que dias antes havia sido ameaçado em plena feira pelo tenente-coronel Júlio brasileiro de surrá-lo se Sales continuasse a publicar notas sobre ele nos jornais. 

Apesar dos contratempos a eleição transcorreu normalmente, e o resultado oficial seria divulgado um mês depois, 07 de fevereiro de 1917. Sete dias depois o tenente-coronel Júlio brasileiro seria assassinado no Café Chile em Recife, e no dia seguinte aconteceria a Hecatombe de Garanhuns. 

Texto: 
Professor José Cláudio Gonçalves  
Representante do IHGG na Comissão do Memorial da Hecatombe.

SAIBA MAIS SOBRE O ASSUNTO


Com o assassinato de Júlio Brasileiro, sua esposa, Ana Duperron, teria cobrado de seus correligionários e parentes a vingança imediata, e ela aconteceu de forma impressionante. Capangas da região foram contratados para um assassinato em massa dos opositores, e como parte do plano, a polícia daria segurança a todos que se abrigassem na cadeia pública. Mas alguns herois, como Cabo Cobrinha, foram poucos para a invasão e assassinato das principais personalidades políticas da época. Um trauma que perdurou por décadas, e hoje é relembrado, mesmo 100 anos depois, pois mudou os rumos da sociedade.





POSTAGENS ANTERIORES, CLIQUE NO LINK

POSTAGENS ANTERIORES, CLIQUE NO LINK

SIGA O BLOG

Direitos do Autor

Copyright 2014 – RONALDO CESAR CARVALHO – Para a reprodução de artigos originais assinados pelo autor deste blog em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,é exigida a exibição do link da postagem original ou do blog.