BLUENET - PROVEDOR DE INTERNET

DR. ELENÍLSON LIBERATO

DESTAQUES DO BLOG

sábado, 27 de julho de 2019

Viva a Diversidade / O SUCESSO DO FESTIVAL DE INVERNO DE GARANHUNS 2019

FIG chega ao fim celebrando a diversidade artística, a troca de saberes e a acessibilidade




Cultura pulsando em toda parte; cerca de quinhentas apresentações artísticas e mais de três mil artistas circulando por uma cidade. Tome agasalho e capas de chuva para acompanhar os sete palcos de música de todos os os gêneros, para todos os gostos: pop, forró, instrumental, cultura popular, erudita, experimental, dos mais intimistas aos de lotar a praça com uma média estimada em 60 mil pessoas. Essa foi a média de público circulante pela Esplanada Dominguinhos e adjacências, durante os dez dias do maior festival de arte e cultura da América Latina. Ao todo, a organização estima que em torno de 600 mil pessoas circularam pela cidade, durante os 10 dias do evento.

No circo, no teatro, nos espetáculos de dança e no cinema, lotação registrada em todas as sessões. A visitação também foi intensa na Casa Galeria Galpão, na Praça da Palavra, no Pavilhão do Artesanato e no Polo Gastronômico. O 29º FIG acaba, como todos os anos, com gosto de quero mais. Mas, antes que chegue à 30ª edição, a coordenação do festival faz um balanço não só quantitativo, mas sobretudo qualitativo deste evento que já é um dos mais importantes do calendário artístico e cultural do país.

Totalmente concebido e realizado pelo Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria de Cultura e da Fundarpe, em parceria com a Prefeitura de Garanhuns e apoio da Cepe Editora, Sesc e Sebrae, o FIG neste ano lançou uma ferramenta que permitirá que a gestão avalie seus impactos e promova melhorias para sua 30ª edição. A pesquisa foi uma parceria da Secult e Fundarpe com o App Colab e, para quem ainda não participou, há tempo ainda de baixar o aplicativo e responder às questões.
“Tivemos um FIG exitoso, de excelente qualidade artística e técnica, e que queremos melhorar ainda mais para o próximo ano, quando o festival completa trinta edições. Para isso, lançamos essa novidade, uma pesquisa inédita que está sendo respondida pelos que viveram o FIG, promovida graças a parceria com o aplicativo Colab, um projeto piloto que vai nos auxiliar a aprimorar o evento nas próximas edições. Destaco ainda o Figuinho, uma programação especialmente montada para as crianças que são um público cativo e muito especial para o FIG; além da Plataforma FIG, que começou o contato com a América Latina, o que é um marco para o FIG. Quem sabe uma internacionalização, através de uma parceria?”, coloca Gilberto Freyre Neto, secretário de Cultura de Pernambuco.
Fruição, produção artística e cultural, troca de saberes e formação cultural. São essas características que tornam o festival único em seu conceito. Mesmo o público que vem só para curtir as atrações, para brincar, termina aprendendo e levando consigo um aprendizado muito maior, que reverbera e contribui para que ele passe a ouvir, ler, assistir e ser plateia para outras produções culturais, seja produzida em Pernambuco, seja de qualquer lugar do mundo. Do local para o universal, da raiz para o contemporâneo. A programação do FIG contribui para uma compreensão maior sobre a formação da identidade do nosso povo. Ensina ainda sobre respeito, diversidade, tolerância, consciência política, liberdade e comunhão.
“O FIG de 2019 foi o melhor dos últimos tempos. Alguns motivos nos levam a essa convicção. Entre eles podemos falar do maior investimento feito em mídia, que gerou um conhecimento maior da população do que acontece em Garanhuns nesses dez dias de festival. O próprio público, incluindo os artistas contratados, reconheceu a qualidade artísticas das atrações selecionadas lotando todos os polos de atração, a rede hoteleira e as ruas, com restaurantes cheios e forte movimento do comércio. Tivemos ainda uma ampla cobertura da imprensa, inclusive a nacional, o que no final resultou no FIG alegre, de paz e celebração”, destacou o presidente da Fundarpe, Marcelo Canuto.
O FIG se destacou esse ano também pela presença da acessibilidade comunicacional, com ações voltadas para pessoas com deficiência auditiva e visual e contratação de profissionais com deficiência também. Foram vinte e seis profissionais ao todo. Entre eles, intérpretes de libras nos palcos Dominguinhos e de Cultura Popular; audiodescrição no teatro e no circo; além da presença do roadie Luan Albuquerque, que encontrou ambiente propício para executar sua função.

Durante os dias do festival, a Secult levou para o FIG a campanha do Mapa Cultural de Pernambuco. A plataforma digital reúne informações sobre agentes, espaços, eventos e projetos culturais, e é uma ferramenta para construção de indicadores culturais que auxiliem na construção de políticas públicas para a cultura, pelo governo. “Nosso objetivo é mostrar como o mapa funciona e qual o seu objetivo. Mesmo com a agitação do FIG, as pessoas estão se mostrando interessadas no tema e a aceitação está sendo bem legal. Vários visitantes, inclusive, já tinham cadastro no Mapa, mas muitas outras pessoas não tinham”, contou Valentine Herold, coordenadora do Mapa Cultural de Pernambuco, que apresentou a plataforma para o público em alguns espaços do FIG.

DESTAQUES
“Uma marca desta edição, que tem se consolidado, é a diversidade. A possibilidade que o Governo do Estado traz para a população de ver espetáculos nas mais diversas linguagens que talvez, por conta de tantas coisas, não circulariam aqui, neste país de dimensão continental. Eu acho que isso é o que mais me emociona e me impulsiona a coordenar este festival, porque acredito muito na força transformadora da cultura. E a força que o FIG tem enquanto impulsionador da cultura, da economia da cultura e para trabalhar o olhar do público. Tivemos registros de todos os polos lotados”, avalia André Brasileiro, curador e coordenador-geral do FIG. Ele destaca ainda o modelo pelo qual os artistas foram selecionados. "As convocatórias são públicas e neste ano trabalhamos com quase 95% dos nomes que compuseram a programação selecionados a partir desta convocatória, dentro do perfil de cada noite e do perfil do FIG de uma maneira geral", ressalta.

PALCOS
O Palco Pop se destacou mais uma vez pela diversidade musical, com destaque para a cena pop mais alternativa, periférica e underground. Destaque para os shows de Jards Macalé, já no primeiro dia, que trouxe muitos fãs, de vários lugares do Nordeste, que acompanham sua carreira há anos. O rap se fez presente nordestino, como Diomedes Chinaski, e o carioca MV Bill, que reuniu o maior público do pop, em torno de 5 mil pessoas. Nos demais dias, o palco reuniu um público em torno de 3 mil pessoas.

No Palco Dominguinhos, o FIG rendeu-se a um dos gêneros mais curtidos pelos pernambucanos e trouxe acertadamente o gênero brega, escalando artistas que construíram carreiras sólidas sem ter que apelar para a vulgarização e outras violências. Aliás, violência foi algo que passou longe dos palcos do FIG. Nenhuma ocorrência grave foi registrada pela Polícia Militar. Depois da noite do brega - que chegou a registrar um público em torno de 60 mil pessoas - o Dominguinhos registrou praça completamente lotada em todas as noites. Termômetro para a escolha acertada das atrações. Shows como os da homenagem a Jackson do Pandeiro, Céu, Letrux, Barão, Toni Garrido, Lenine, Alcione, Elba Ramalho, Otto, Roberta Miranda atraíram não apenas o público do artista mas aquele que já é cativo da Esplanada Mestre Dominguinhos, sinônimo de excelentes shows, nos encerramentos das noites do FIG.

Pelo Palco Instrumental passaram grandes artistas da cena instrumental do Recife, de Garanhuns e do Brasil como um todo. O palco é uma grande vitrine para músicos que tocam para um público de ouvido mais exigente, que vão ao palco para apreciar aqueles que podem ser enquadrados no experimentalismo da música instrumental. O local chegou a registrar um público de até duas mil pessoas, segundo o coordenador Antônio Pinheiro. Ele também comentou sobre a ação do Figuinho, que pela primeira vez ocupou o Parque Ruben Van Der Linden, no mesmo palco das bandas instrumentais. “Tivemos vivências circenses, contação de histórias que envolveram o público, e a apresentação de Carol Levy, que considero o ponto alto do palco. Foi um espaço de interação com a família que eu espero que se repita nos próximos anos”, comentou.

O Palco do Forró é um palco muito apreciado pela população mais tradicional de Garanhuns, que valoriza os artistas mais regionais e gosta de dançar. “A rua fica cheia e muito animada. O povo vai para dançar, cantar com seus artistas, não tivemos registros de brigas e tudo ocorreu na maior paz”, diz Lúcia Ramos, coordenadora do Palco Forró, que estimou um público de cerca de 3 mil pessoas por noite do Forró.

O Palco de Cultura Popular Ariano Suassuna recebeu em sua programação as mais diversas manifestações populares do Estado, entre elas os Patrimônios Vivos de Pernambuco. O espaço também recepcionou artistas e grupos de Garanhuns e do Agreste Meridional e atividades culturais vivenciadas nas unidades escolares de Ensino Médio da região. “Foram oito dias de alegrias e emoções, com apresentações que mostraram ao público o brilho, a beleza e a resistência daqueles que mantêm viva as nossas tradições culturais”, diz Tereza Amaral, coordenadora de Cultura Popular da Secult.

A programação reuniu 106 apresentações, dentre elas cinco Patrimônios Vivos de Pernambuco (Tribo Indígena Carijós do Recife, Clube Carnavalesco Mixto Seu Malaquias, Banda Saboeira, Clube Carnavalesco Misto Cariri Olindense, Mestre Galo Preto). Cerca de 2500 artistas, brincantes e alunos das escolas públicas passaram pelo local, que reuniu um público estimado em três mil pessoas por dia. O Espaço Mamulengo, que aconteceu na estrutura do Som na Rural, durante três dias, aconteceram ainda cinco apresentações de artistas da cultura popular do Estado, incluindo o Patrimônio Vivo, Mestre Zé Lopes.

Catedral - A Catedral de Santo Antônio já se tornou o espaço de música mais concorrido do FIG. Com uma capacidade em torno de 800 pessoas sentadas (ainda havia o público que ocupava os fundos e a lateral), a igreja ficou lotada todos os dias para assistir as apresentações programadas pelo Conservatório Pernambucano de Música e pelo Festival Virtuosi na Serra. Destaques para as apresentações de SaGrama com Antônio Nóbrega, Leila Pinheiro, Sheyla Costa cantando Elis Regina, e a Orquestra Jovem de Pernambuco.

Som na Rural - O pavilhão que abrigou o Som na Rural, neste ano, no FIG conservou, segundo o coordenador Roger de Renor, as características conceituais do projeto, que são de deixar o artista bem perto do seu público, como nas ações de rua habituais do projeto. “As pessoas têm acesso liberado para falar com o artista sem muitas barreiras e, ao mesmo tempo, esse padrão de palco permite que o público tenha o conforto necessário porque o local é coberto e dá ao artista uma condição técnica, de som e luz, que nas edições da rua não tem”, diz Roger.

Ele ressaltou o feedback dado pelos próprios artistas, que ficam duplamente satisfeitos. Primeiro por estarem na programação do FIG e depois por tocarem no Som na Rural, que tem uma chancela, uma marca própria. Também foi destaque o fato da Rural ter sido comandada por uma equipe formada apenas por mulheres, o que evidenciou a excelência do trabalho técnico desenvolvido por elas, dentro de funções majoritariamente comandada por homens.

Plataforma FIG - Já consagrada, a Plataforma FIG reuniu os diversos profissionais do segmento de música do Estado e do Brasil, numa série de mesas redondas, debates e palestras que buscaram atrair novas parcerias para impulsionar a cadeia produtiva local. Neste ano, a ação teve como foco a construção de pontes entre o Brasil e seus países vizinhos, fortalecendo o reconhecimento do Brasil como um país latino-americano e a exportação da cena pernambucana para esses países.

Para isso, foram convidados representantes de vários festivais brasileiros, como Música Mundo (BH), RecBeat (PE), Queremos (RJ), Coma (BSB), Maloca (CE), Mada (RN), Conexão Latina (SP), Festival MUCHO (SP) e Festival Radioca (BA), e produtores internacionais, como Paula Rivera, presidenta do Instituto Nacional de Música da Argentina, e Hernan Halak (ARG), vice-presidente da MMF Latam e diretor da produtora cultural Mundo Giras e do Festival MUCHO. O evento contou com a curadoria e produção de Priscila Melo (SP).

"A Plataforma FIG já se consolidou como um lugar de diálogo, de troca de conhecimento, experiências e informações, fomentando uma análise do mercado atual e novos possíveis formatos. Então, quando investimos na internacionalização das nossas parcerias, queremos sinalizar aos produtores daqui do Brasil e de fora que é possível apostar em nossos artistas e, com isso, abrir novos mercados", avaliou Andreza Portela, coordenadora de Música da Secult.

Redes sociais - As páginas da Secult-PE/Fundarpe e do Festival de Inverno de Garanhuns registraram, desde o último dia 18 de julho, um engajamento de público de mais 1,6 milhão de usuários trafegando nas duas redes. Além disso, ganharam 11 mil novos seguidores nos perfis oficiais do Instagram. O perfil oficial do FIG (@festivaldeinvernodegaranhuns) alcançou mais de 20 mil seguidores, e do Cultura.PE (@cultura.pe) mais de 15 mil.

Polo da Dança - A programação de Dança do 29º FIG teve como foco a diversidade da dança brasileira. A curadoria trouxe grupos, coletivos e companhias de dança que se inspiram nos universos poéticos reais dos povos que nos constituem como nação. “A urbanidade das cidades, os mitos africanos, o sertão nordestino, as relações amorosas, nossos ancestrais indígenas, além do já absolvido legado ocidental. O FIG foi uma aula sobre o povo brasileiro, e o público se encantou com tudo isso, pois marcou presença assídua, lotando o Salão Jaime Pincho/Sesc durante os seis dias de programação”, comenta a coordenadora de dança da Secult e das ações de dança no FIG, Maria Paula Costa Rêgo.

Ela destaca ainda, como novidade, a ação Interações Estéticas, que consistiu na troca de conhecimentos entre duas companhias de dança, fortalecendo as relações profissionais e o crescimento mútuo. Os bailarinos da cidade tiveram também a oportunidade de fazer oficinas de dança com renomados professores de dança do cenário nacional.

Teatro - A programação reuniu 23 espetáculos de teatro, entre eles, alguns premiados em Pernambuco e do Brasil. Falaram de afetividades, e de como esses territórios de afeto conseguem romper barreiras, subverter as dores e as dificuldades do humano. “Falamos de deficiência, de corpos e ausências. Fizemos acontecer um teatro que fricciona realidade, utopias, política e ficção. Fizemos sessões extras, e ingressos esgotados todos os dias”, ressalta José Neto, assessor de teatro e ópera da Secult e das ações de artes cênicas no FIG. Os polos teatrais do FIG receberam em torno de dez mil espectadores.

O Teatro Luiz Souto Dourado sediou a Mostra Adulto e a Mostra para Infância. O Teatro Alternativo, em sua quarta edição ocupando os espaços da cidade, transformou lugares convencionais em casas de espetáculo e teve grande repercussão”, diz o coordenador. Alessandra Maestrini, Matheus Nachtergaele, Gilberto Gawronski, Ana Carolina Marinho, Cristiano Burlan, Ariadne Antico, Coletivo Grão Comum, Lívia Falcão, Tânia Farias, Tropa do Balacobaco, Cênicas Cia. de Repertório, Robson Torinni e muitos grandes nomes passaram por Garanhuns, envolvendo o público na arte do encontro, o teatro.

Praça da Palavra - Homenageando o escritor Jomard Muniz de Brito, a Praça da Palavra recebeu um público médio circulante de cinco mil pessoas, nos dez dias do evento. Além da mostra de livreiros, o local promoveu lançamento de livros com debate com os autores, contação de histórias, recitais e musicais. “O público destacou a riqueza da programação, a variedade de atividades que oferecemos, com uma programação riquíssima que mais uma vez atendeu as expectativas”, avalia Roberto Azoubel, coordenador de literatura da Secult e do espaço.

Espaço Patrimônio - O FIG também recebeu neste ano a exposição comemorativa dos onze anos da Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco. No espaço, localizado na Praça Luiz Souto, além da mostra, o local recebeu ações na área de preservação patrimonial e, num dos estandes, o público pode registrar seu apoio, por meio de um abaixo assinado, à titulação da ciranda como Patrimônio Imaterial do Brasil. “Tivemos uma visitação expressiva nestes últimos dias. Pessoas de vários municípios nos procuraram para fechar novas ações e parcerias, o que demonstra o potencial das nossas atividades”, conta Roberto Carneiro, responsável pelo Espaço do Patrimônio no FIG.

Circo - Os espetáculos de circo registraram lotação esgotada em todas as onze sessões. Quase 15 mil pessoas compareceram ao espaço. Entre os destaques da ação de Circo no FIG temos a duplicação dos espetáculos nos finais de semana, o lançamento do Prêmio Palhaço Cascudo de Incentivo às Artes Circenses 2019, a presença de números circenses na abertura do espaço do Teatro Alternativo e no Palco do Som Na Rural, além de atividades circenses no parque Rubem Van Der Linden, voltado para público infanto-juvenil, dentro da programação do Figuinho. A Patrimônio Vivo de Pernambuco, Índia Morena foi um destaque a parte na programação, como mestre de cerimônia da Mostra de Números Circenses. “Os circos intinerantes são o grande eixo de sustentação e do encantamento da programação de circo no FIG. Com o aumento de mais três espetáculos foi possível atender a um público maior, numa demonstração de que a população de Garanhuns é cativa na lona e valoriza bastante as artes circenses”, avalia Jorge Clésio, assessor de circo da Secult.

Casa Galeria Galpão - Com endereço novo na avenida Rui Barbosa, a mais movimentada de Garanhuns, a Casa Galeria Galpão superou as expectativas de público e, no dia do seu encerramento, neste sábado (27) a expectativa é que supere a marca de cinco mil visitantes. O local reuniu exposições das linguagens de fotografia, design e moda, e artes visuais. “Mais uma vez a Casa Galeria Galpão conseguiu cumprir um papel importante no FIG, o que demonstra a força dessas três linguagens - Artes Visuais, Fotografia e Design e Moda - e estimula os produtores e artistas a apresentarem propostas de exposições cada vez melhores. O espaço esse ano ficou numa boa localização, o que permitiu uma excelente visitação”, diz Márcio Almeida, coordenador de artes visuais da Secult.

Pavilhão do Artesanato - Um público estimado em 4 mil pessoas por dia circulou pelo Pavilhão do Artesanato, que contou com 76 estandes de artesãos de Pernambuco. “Além dos indicadores objetivos, temos os indicadores subjetivos. Os artesãos se mostram satisfeitos, valorizam e defendem essa ação com o artesanato e a gente percebe a integração e a confraternização entre eles, o que também é muito importante. Contamos com a presença dos Patrimônios Vivos Mestre Saúba e o Mestre Zé Lopes, além de dois pontos de cultura, a Rede Mestres de Brinquedos e a tribo Fulni-ô, de Águas Belas”, conta Breno Nascimento, assessor de artesanato da Secult. Ele estima que, ao final da feira, seja contabilizado um faturamento em torno de R$ 250 mil em produtos comercializados.

Audiovisual - Ao longo dos últimos dias, o Cine Eldorado reuniu, em suas 12 sessões, em torno de 1,2 mil pessoas. Além da Mostra Infantil, que exibiu filmes e animações pela manhã, a programação do audiovisual contou com a estreia dos filmes "Estou me Guardando Para Quando o Carnaval Chegar", dirigido por Marcelo Gomes, e Jackson, na batida do pandeiro, dos cineastas Marcus Vilar e Cacá Teixeira. "A exibição dos nossos filmes permitiu uma troca muito interessante com o público, pois, além de conhecer os filmes e animações de produções pernambucanas e brasileiras, eles puderam conversar diretamente com os diretores sobre suas impressões, num diálogo aberto e enriquecedor", conta a coordenadora de Audiovisual da Secult, Luciana Poncioni.

Formação Cultural - “Este ano podemos dizer que retomamos uma importante tradição do Festival de Inverno de Garanhuns, no que diz respeito ao papel e ao investimento na Formação. “Trouxemos alguns importantes nomes nacionais para fazer repasse de ‘saberes e inquietações’ no que diz respeito à gestão e à produção artística, que são fundamentais, no atual momento de cortes, pelo governo federal, dos recursos para fomentar a Cultura no Brasil”, avalia Tarciana Portela, gerente de Formação Cultural da Secult.

Além das oficinas de formação cultural - que procuraram atender a demandas de qualificações na área da produção cultural já identificadas anteriormente, inclusive para o público garanhuense, a formação cultural no FIG envolveu duas ações especiais: o Seminário Arte Contemporânea em Perspectiva e a Plataforma FIG. Quase 600 pessoas foram atendidas por todas as ações de formação. O projeto Outras Palavras também foi retomado pela Secult, durante o FIG, numa edição especial dentro da Praça da Palavra.

Gastronomia - No Instituto Histórico Geográfico e Cultural de Garanhuns instalou-se neste ano o Polo de Gastronomia do FIG. Todos os assentos ficaram lotados, diariamente, para receber chefs de cozinha, alguns bem famosos, como Carmem Virgínia, que foram lá preparar seus pratos. “A gastronomia este ano teve como tema a sustentabilidade. Todos os convidados trouxeram reflexões acerca da gastronomia enquanto cultura, pensando na sustentabilidade. A viabilidade desta ação se deu inclusive pelo encontro de todos os convidados, com relação de troca de conhecimentos. A ocupação superou as expectativas todos os dias”, comenta a assessora de Gastronomia da Secult, Ana Claudia Frazão.

Para entrar para a história > Hoje tem JOÃO BOSCO e BOCA LIVRE na programação do FIG2019 na Catedral de Santo Antônio

João Bosco
O conservatório Pernambucano de Música encerra sua participação na Catedral de Santo Antônio, Templo da boa música no FIG2019, com uma programação fantástica: João Bosco e Boca Livre. 

A Catedral de Santo Antônio promete repetir o sucesso dos primeiros dias do FIG com a retomada da programação do Conservatório Pernambucano de Música dentro do 29º Festival de Inverno de Garanhuns, e superar. Teremos por lá duas apresentações para entrar para a história O espaço, um dos preferidos do público no festival, contou com lotação máxima em todas as sessões, com muita gente sentada no chão para conferir performances como a de Antônio Nóbrega e SaGrama.

Boca Livre
Neste sábado, o dia da despedida do FIG, a boa música segue com duas outras grandes atrações: o grupo Boca Livre e o cantor João Bosco. Às 16h, a inconfundível assinatura vocal do Boca Livre soará no show Viola de Bem Querer, resultado do 13º disco do quarteto carioca. Após seis anos sem novas gravações, o grupo realça nas nove faixas do CD a sonoridade que o fez surgir no cenário musical brasileiro de forma ousada, calcada na junção de quatro vozes, de timbres distintos, com violões, viola e baixo.

Formado por David Tygel (voz e viola de 10), Lourenço Baeta (voz, violão e flauta), Mauricio Maestro (voz e baixo) e Zé Renato (voz e violão), o Boca Livre conta ainda com a participação, nos shows, dos músicos João Carlos Coutinho (piano e acordeom) e Lucas Videla na percussão. “Estamos munidos com o que sabemos fazer de melhor: cantar um repertório que foi escolhido com o rigor habitual e que nos inspirou a chegar em um resultado, antes de mais nada, prazeroso. O prazer de cantar juntos é o que nos move. Assim foi e sempre será", explica o cantor Zé Renato.

Fechando a programação do Conservatório no FIG, um dos mais importantes nomes da MPB, João Bosco, apresenta o seu novo álbum “Mano Que Zuera”, a partir das 21h. A obra foi lançada oito anos depois de “Não vou pro céu, mas já vivo no chão”, último CD de inéditas do compositor e violonista mineiro. As faixas “Trem Bala”, “Sonho de caramujo” e “Quantos rios” são algumas das que estão no repertório do show.

A música de João Bosco é conhecida por trazer elaborados arranjos instrumentais, oferecendo interessantes soluções harmônicas para belas melodias. Entre os parcerias da longa trajetória, estão nomes como Francisco Bosco (filho do artista), Nei Lopes, Carlos Rennó, Chico Buarque e Arnaldo Antunes, entre outros. Em 2012, Bosco havia lançado o projeto João Bosco – 40 anos depois, reunindo sucessos de ser repertório e convidados como Chico Buarque, Milton Nascimento e João Donato.

Direitos do Autor

Copyright 2014 – RONALDO CESAR CARVALHO – Para a reprodução de artigos originais assinados pelo autor deste blog em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,é exigida a exibição do link da postagem original ou do blog.