PE CONTRA O CORONAVÍRUS

sexta-feira, 27 de março de 2020

Governo vai liberar R$ 36 bi para bares e restaurantes pagarem três meses de salário



Passado um mês da primeira confirmação do novo coronavírus em território brasileiro, o país chegou a 77 mortes por Covid-19 e 2.915 pessoas infectadas. São Paulo ultrapassou a marca de 1.000 contágios e contabiliza 58 vítimas fatais — o estado investiga ainda a relação de ao menos 20 mortes com o vírus. Santa Catarina e Goiás registraram os primeiros óbitos. (Veja a situação em cada estado).

Epidemia em dados: segundo o Ministério da Saúde, há 205 pessoas em enfermarias e 194 em UTI por Covid-19 no Brasil. Homens correspondem a 58% dos casos graves e 68% dos mortos. Uma em cada quatro mortes foram de pessoas entre 80 e 89 anos.

O que foi dito: o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, declarou que os próximos 30 dias serão muito difíceis: “Provavelmente, estejamos aí na fase crítica da pandemia”.

R$ 36 bi para bares e restaurantes pagarem salários

O governo brasileiro vai editar uma Medida Provisória que libera R$ 36 bilhões para que sejam pagos três meses de salários de trabalhadores do setor de bares e restaurantes, informa Lauro Jardim. Segundo o texto, salários de até R$ 3 mil reais poderão ser integralmente pagos com esse recurso. A MP já foi assinada pelo presidente Jair Bolsonaro e será encaminhada ao Congresso.

Em paralelo: Bolsonaro afirmou que o auxílio oferecido aos trabalhadores informais será de R$ 600. O valor é o triplo do previsto inicialmente e havia sido alvo de disputa entre a equipe econômica e parlamentares ao longo do dia.

Outra medida em discussão é a possibilidade de suspender contratos de trabalho: o governo reduziu o tempo de suspensão de quatro meses para dois meses, e o Parlamento trabalha em proposta alternativa.

Aconteceu hoje: os governadores João Doria, de São Paulo, e Wilson Witzel, do Rio, apelaram ao governo federal por medidas econômicas contra a epidemia. Doria pediu ações em 72 horas e cogitou endurecer as restrições no estado. Witzel disse que as medidas protetivas estarão ameaçadas se não houver repasse de recursos.

Aplicativo lançado pelo Governo do Estado e Prefeitura do Recife permite atendimento de saúde à distância

Ferramenta oferece orientações virtuais sobre a Covid-19, permite a classificação de risco do paciente e o teleatendimento, por médicos e enfermeiros, nos casos mais graves



Com o objetivo de evitar que a população procure as unidades de saúde desnecessariamente, diante do atual cenário causado pela pandemia da Covid-19, o Governo de Pernambuco, em parceria com a Prefeitura do Recife, lançou nesta quinta-feira (26.03) um aplicativo que garante orientações virtuais sobre o novo vírus. Chamada de “Atende em Casa – Covid-19”, a ferramenta possibilita a classificação de risco do paciente e, caso seja necessário, nos casos considerados mais graves, permite uma chamada de vídeo para um teleatendimento feito por enfermeiros ou médicos. O aplicativo pode ser baixado e acessado por meio de smartphone ou computador. Todos os profissionais da rede estadual de saúde que não estejam exercendo atividades hospitalares estarão convocados para atuar nessa importante iniciativa.

Na manhã desta quinta-feira (26.03), foram confirmadas em Pernambuco mais duas mortes pelo novo coronavírus, subindo para três o número de óbitos provocados pela doença – o primeiro deles ocorreu na quarta-feira (25.03). Os pacientes falecidos hoje – ambos internados no Real Hospital Português (RHP) – foram um morador do Recife, de 69 anos, e um turista canadense, com 79, que chegou ao Recife no navio Silver Shadow, no dia 12 de março, e passou mal durante o desembarque. Já o primeiro paciente que faleceu vítima da Covid-19 no Estado tinha 85 anos e também era morador do Recife.

CONFIRMAÇÕES – Nesta quinta-feira (26.03), foram contabilizados em Pernambuco mais dois casos confirmados da Covid-19, passando a 48 casos no total, distribuídos por seis municípios, além de pacientes de outro Estado e outros países. Do total de pacientes, seis já se recuperaram, todas do sexo feminino e com idade entre 16 e 67 anos.

Fotos: Djair Pedro/SEI

GARANHUNS / Hospital Dom Moura informa seus números de telefones

Medida visa agilizar atendimento e informações à população



A direção do Hospital Regional Dom Moura vem adequando rotinas e estruturas com o objetivo de proporcionar melhor atendimento aos pacientes com Síndrome Gripal Aguda Grave (SRAG), neste momento de pandemia. Uma série de medidas já foram divulgadas que buscam restringir movimentação de acompanhantes e outras pessoas na unidade hospitalar, diminuindo o risco de infecção pelo Covid-19.

Agora, a gestão hospitalar torna público a desativação do número telefônico PABX e divulga os principais números diretos utilizados pela população, para agilizar atendimento e informações. Todas as recepções terão disponíveis os demais números internos do hospital, caso seja necessário ao usuário. 

Segundo Catarina Tenório, diretora do HRDM, a medida visa melhor comunicação. "Percebemos que a central PABX estava burocratizando o contato da população com o hospital, assim, com a divulgação dos telefones diretos, principalmente das recepções, maternidade, pediatria, emergências, inclusive da direção, entre outros, a comunicação passa a ser direta, portanto mais ágil, para informações e resoluções" - Finaliza a gestora.

Confira no quadro anexo os fones divulgados.

NOTA OFICIAL DAS UNIVERSIDADES QUE COMPÕEM O CONSÓRCIO PERNAMBUCO UNIVERSITAS E OS INSTITUTOS FEDERAIS DE PERNAMBUCO



Considerando o avanço da pandemia do novo Coronavírus (COVID-19) e atentas às necessidades de proteção à saúde da população, as universidades que compõem o Consórcio Pernambuco Universitas e os Institutos Federais do Estado de Pernambuco (UPE, UFPE, UFRPE, IFPE, IF Sertão - PE, UFAPE, UNICAP e UNIVASF) adotam a seguinte orientação quanto ao seu funcionamento:

- Ficam suspensas as atividades acadêmicas presenciais por período indeterminado, devendo ser retomadas no momento em que as autoridades sanitárias manifestarem o retorno das condições para o convívio social.

Recife, 27 de março de 2020.


Universidade de Pernambuco
Prof. Pedro Henrique de Barros Falcão

Universidade Federal Rural de Pernambuco
Profa. Maria José de Sena

Universidade Federal de Pernambuco
Prof. Alfredo Macedo Gomes

Universidade Católica de Pernambuco
Prof. Dr. Pe. Pedro Rubens Ferreira Oliveira

Universidade Federal do Vale do São Francisco
Prof. Julianeli Tolentino de Lima

Universidade Federal do Agreste de Pernambuco
Prof. Airon Melo

Instituto Federal de Pernambucano
Profa. Anália Keila Rodrigues Ribeiro

Instituto Federal do Sertão de Pernambucano
Profa. Maria Leopoldina Veras Camelo

Posicionamento do PSOL Pernambuco sobre a crise do Coronavírus


O surgimento do novo Coronavírus (COVID-19) desencadeou uma crise em escala global. O vírus já atingiu mais de 200 mil pessoas em quase 150 países, nos 5 continentes, deixando um rastro de morte por onde passa. Diante do rápido espalhamento geográfico da doença, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o novo Coronavírus como uma pandemia no último dia 11 de março.

A grave crise humanitária provocada pela pandemia do Covid-19, portanto, atinge o Brasil com uma economia em desaceleração e com um mercado de trabalho extremamente fragilizado. São milhões de brasileiros em situação de vulnerabilidade, alijados das redes formais de proteção social.

A grande maioria dos governos estaduais e municipais girou para evitar que a pandemia se espalhe, adotando medidas de isolamento social que já haviam sido adotadas por outros países.

Enquanto o Ministro da Saúde seguia a linha de combate ao vírus de acordo com o que propõe a OMS (Organização Mundial da Saúde), Bolsonaro vai na contramão da ciência, estimulando diuturnamente as pessoas a saírem de casa, classificando a pandemia como uma mera “gripezinha”.

Todas as condutas ativas e omissivas desse Governo Federal por si só já tipificam a conduta de Bolsonaro como crime de responsabilidade, o que vem aumentando a cada dia. O que já começava a ficar claro com a responsabilidade desse governo para com as instituições da República ficou transparente neste momento de crise humanitária: Bolsonaro não possui mais condições de estar sentado na cadeira do cargo mais alto da República brasileira.

Caberá ao PSOL buscar junto com outros setores, construir um processo de retirada do Sr. Jair Bolsonaro da Presidência da República por todos os meios disponíveis, incluindo com um pedido de impeachment que envolva os demais partidos de oposição, os movimentos sociais e as entidades respeitadas pelo povo brasileiro, como, por exemplo, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Ou criamos uma grande coalizão de forças para que o processo tenha respaldo suficiente para chegar ao seu intento ou, caso contrário, o impedimento do Presidente da República não terá robustez suficiente no Congresso e nas ruas do Brasil. Nossa bancada federal vai lutar para garantir uma renda mínima emergencial. Tivemos uma grande vitória na votação realizada na noite dessa quinta-feira (26) para esta pauta. Tirar Bolsonaro e derrubar toda sua política econômica é nossa prioridade. Fora Bolsonaro!

Em Pernambuco, é necessário cobrar mais transparência do Governo Estadual, bem como dos demais municípios, principalmente o Recife, quanto à situação real da pandemia. As gestões do governo estadual e do governo municipal, vem mantendo os dados relativos ao novo Coronavírus - bem como da realidade da nossa saúde pública - numa caixa-preta, não fornecendo subsídios para o conjunto da população. Nossos mandatos em Pernambuco têm se colocado como pontos de apoio à população, seja com as Juntas na Alepe ou com Ivan Moraes, na Câmara de Vereadores do Recife.

Assim cobramos medidas mais efetivas da parte do governo e prefeituras no sentido de impedir maiores disseminações do Covid19 e que contribuam para assegurar a segurança alimentar e nutricional das comunidades mais necessitadas, a exemplo de programas de renda mínima e o controle estatal da produção e comércio dos produtos de higienização (álcool gel, máscaras, luvas e sabão) e de equipamentos de proteção de qualidade para serem distribuídos aos profissionais de saúde.

Fiscalizaremos e cobraremos uma atuação coerente do Poder Executivo por intermédio de nossos mandatos, de nossas direções partidárias e de toda à militância do PSOL, colocando sempre a vida do povo em primeiro lugar.

Recife, 27 de Março de 2020

Direção Estadual do PSOL Pernambuco

FOLHA DE SÃO PAULO - Bolsonaro é ignorado por governadores

Imagem

Direitos do Autor

Copyright 2014 – RONALDO CESAR CARVALHO – Para a reprodução de artigos originais assinados pelo autor deste blog em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,é exigida a exibição do link da postagem original ou do blog.