terça-feira, 24 de setembro de 2019

Paulo Câmara defende um planeta mais humano na Semana do Clima de Nova Iorque

Ao lado de outros governadores dos EUA e da América Latina, o gestor pernambucano ratificou a Carta de Santa Fé, um compromisso pelo desenvolvimento sustentável


NOVA IORQUE - O governador Paulo Câmara participou, nesta terça-feira (24.09), de uma série de eventos da Semana do Clima de Nova Iorque, nos Estados Unidos. Como representante do Consórcio Nordeste - que reúne os nove Estados da região - ele assinou a Carta de Santa Fé, reforçando o compromisso de Pernambuco e do Nordeste com o desenvolvimento sustentável e a construção de uma agenda ambiental avançada. Ao discursar no encontro com líderes do Under 2 Coalition, o governador afirmou representar os 56 milhões de nordestinos e os outros milhares de brasileiros que não desejam a destruição das florestas, as agressões à natureza e à vida no planeta, e sim a busca de novos rumos para o futuro.

"Vamos, juntos, fazer com que esse nosso compromisso saia do papel e ganhe o mundo, e vamos trabalhar para formar e consolidar a coalizão dos Estados, a exemplo do que acontece nos Estados Unidos", afirmou Paulo Câmara, advertindo que o Nordeste não aceitará, passivamente, a adoção de medidas ultrapassadas, criminosas e ambientalmente irresponsáveis. "Estamos assumindo posições e ações que nos permitam avançar no que for possível e também atuar para barrar os retrocessos. Somos muitos no nosso País, atentos a esse debate, inquietos com as ameaças que a própria humanidade e algumas lideranças têm causado ao meio ambiente", reforçou.

O governador reafirmou sua disposição de dedicar esforços, estudos e experiências no combate aos processos destrutivos e na construção de alternativas renováveis para proteger e conviver de forma saudável com os recursos naturais. "Isso não se efetiva sem uma política clara, com ações contundentes a favor de um meio ambiente protegido, com trocas positivas, e jamais na agressão, exploração e destruição. Uma ideia não pode abrir mão de gestos, de atitude e de coragem para enfrentar interesses mesquinhos, imediatistas e materialistas", disse.

Paulo Câmara destacou ainda que Pernambuco tem fortalecido as estruturas públicas na área ambiental, e criticou as lideranças brasileiras que vêm seguindo uma contracorrente, caminhando no sentido inverso ao que a história ensina, contrário ao futuro. E fez um alerta: "Não há espaço para arrependimentos. O mal que se faz ao ambiente é um dano cada vez mais irreversível. É uma autodestruição".

Ressaltando que a ONU tem uma agenda positiva dedicada aos movimentos sustentáveis, apontando o ano de 2030 como um marco, o governador assegurou que esse referencial está presente em Pernambuco e no Nordeste, que seguem os caminhos universalmente pactuados. "Buscamos um futuro em que crianças não precisem faltar às aulas para fazer greve, tentando alertar os adultos de que eles estão promovendo uma ameaça em escala global", afirmou.

Por último, Paulo Câmara informou que o Fórum Pernambuco de Mudanças Climáticas está ativo e que foi implantado o Plano Estadual Ambiental, dentro dos preparativos do Estado para sediar, em novembro próximo, a Conferência Nacional de Mudanças Climáticas, prévia da COP 25. "A nossa política é de construção com respeito, diálogo e responsabilidade com Pernambuco, o Nordeste, o Brasil e com um mundo melhor. Nada diferente disso é aceitável. Somos defensores dos movimentos coletivos, da mobilização e da união. Não ficaremos insensíveis aos apelos de tantos, no mundo inteiro", completou.

CARBONO NEUTRO - À tarde, Paulo Câmara participou do HUB Ação e Recompensa, discutindo as reduções de emissões de carbono necessárias, na próxima década, para combater mudanças climáticas, o que deve determinar a maneira com que estados, regiões, cidades e empresas que demonstram alta responsabilidade por suas ações climáticas poderão atrair inovação e investimentos.

O governador falou em nome do Fórum Nordeste e do grupo Governadores pelo Clima, formado em abril, com o auxílio do Centro Brasil Clima (CBC) e da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (ABEMA). Todos, segundo relatou, comprometidos com a permanência no Acordo de Paris e com o cumprimento da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) assumida pelo Brasil em 2015.

Paulo Câmara reafirmou que, diante dos riscos de retrocesso por parte do governo federal, os Estados brasileiros assumiram resolutamente seu papel na preservação e conservação ambiental. "As batalhas decisivas dar-se-ão nos territórios dos Estados. Pernambuco, desde o meu saudoso antecessor, o governador Eduardo Campos - tragicamente desaparecido em 2014 - vem desenvolvendo grandes trabalhos de adaptação às mudanças climáticas. Somos muito vulneráveis à elevação do oceano e à desertificação e estamos promovendo as energias limpas, como a solar, o uso de biocombustíveis para reduzir o uso dos combustíveis fósseis, o reflorestamento e a defesa do nosso grande ecossistema regional: a Caatinga", explicou.

O governador narrou ainda o processo de transformação por que passa o Arquipélago de Fernando de Noronha em um território de carbono neutro e um showroom de tecnologias limpas e sustentáveis, esclarecendo que, em breve, todos os veículos que circulam na ilha serão elétricos, a produção de energia local será totalmente limpa e o lixo, totalmente reciclado. "Temos que trabalhar por um planeta carbono neutro na metade desse século. Pernambuco, juntamente com outros Estados que lidero no Consórcio Nordeste, vai cumprir seu papel na NDC brasileira e ir além, rumo a uma estratégia de longo prazo carbono neutro", disse.

A estratégia para isso, segundo Paulo Câmara, inclui articular alianças com outros Estados brasileiros, prefeituras, iniciativa privada, terceiro setor e universidades, atraindo investimentos para uma economia sustentável, geradora de empregos, renda e qualidade de vida. "Sabemos que não há um Planeta B. O único que temos é este, que necessita ser descarbonizado e tornar-se mais justo", concluiu o governador.

Fotos: Divulgação

Bolsonaro na ONU foi pior que pensavam os pessimistas, diz senador



Pior do que as previsões negativas. Uma tristeza para um país tão altivo. Nada mais medieval, agressivo, preconceituoso e mentiroso. Outra oportunidade de defesa do meio ambiente perdida. Foi assim que o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), definiu o discurso de Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral Nações Unidas, em Nova Iorque, nesta terça-feira (24). 

“Infelizmente, as consequências negativas dessa diplomacia da canelada virão para o Brasil. Na tribuna da ONU, Bolsonaro agrediu a própria ONU, a Europa Ocidental inteira e fedia a mofo. Só sobrou espaço para bajular vergonhosamente Donald Trump”, resumiu o senador.

Segundo ele, diante de incontáveis líderes mundiais, ocupando a simbólica posição conferida ao país desde a criação da ONU de abrir o encontro, Bolsonaro se portou como um animador partidário, raivoso e disseminador de fake news.

Humberto avalia que o presidente brasileiro falou como se estivesse diante do seu curral eleitoral, numa daquelas toscas lives que realiza pelo Facebook, com um discurso anacronicamente ideológico, carregado de preconceitos, cheio de ataques à comunidade internacional e repleto de mentiras sobre a realidade brasileira.

“Foi uma vergonha em escala planetária, que serviu a mostrar ao mundo a figura medieval que governa o Brasil. Ele atacou o Mais Médicos, por exemplo, se orgulhando de ter acabado com o exitoso programa e, consequentemente, com a assistência médica a milhões de brasileiros”, declarou.

O parlamentar acredita que o país está, hoje, atrelado ideologicamente a uma ultradireita de contornos nazistas, que despreza a racionalidade, a ciência, a pesquisa e os direitos humanos mais elementares, ignora uma visão global de preservação de recursos naturais e menospreza um modelo de desenvolvimento sustentável.

O líder do PT diz que tudo isso serve para favorecer uma reprovável e desmesurada forma de exploração econômica, já abandonada pelas nações mais desenvolvidas. “A bajulação subserviente de Bolsonaro teve lugar apenas para o presidente dos EUA, Donald Trump, a quem adulou com uma devoção servil, diminuindo vexativamente o Brasil e a forma altiva como vínhamos conduzindo a nossa política externa”, disparou.

O senador entende que Bolsonaro inaugurou oficialmente uma cruzada internacional do Brasil contra fantasmas que inventou, como o socialismo, os agentes secretos disfarçados de médicos, o marxismo cultural, as ONGs estrangeiras e os hereges.

“Ele fez a mesma coisa em 2018 no plano interno, ao eleger adversários que prometia fuzilar e exilar. Hoje, fez no plano externo. Que tristeza para quem havia virado um país de tão grande influência. Nada mais medieval. Para a nossa imensa vergonha”, concluiu.

Academia de Letras de Garanhuns promove palestra sobre Dramaturgia

 
Na próxima sexta-feira (27/09), às 19h30, em sua própria Sede, a Academia de Letras de Garanhuns (ALG) estará promovendo a palestra intitulada “A Dramaturgia brasileira”, que será proferida pelo Prof. Dr. Moisés Monteiro de Melo Neto (UPE/Campus Garanhuns).

Para o presidente da Academia, Luis Afonso de Oliveira Jardim, o evento, que é aberto ao público em geral, é mais uma ação que a entidade literária promove no intuito de atrair público diverso para a ALG.

“Além de fomentarmos o debate sobre literatura, também objetivamos que outras linguagens, como a da dramaturgia, possa atrair um público plural para a Academia. Nesta ocasião, esperamos contar com pessoas que tenham interesse em conhecer com profundidade aspectos da dramaturgia brasileira”, declara Jardim.

GARANHUNS / A polêmica dos encontros de adolescentes na praça



Aos domingos, final de tarde, centenas de jovens da periferia de Garanhuns se reúnem na Praça Mestre Dominguinhos para ouvir e dançar funks e hip hops. Denúncias sobre consumo de álcool e drogas por adolescentes levaram a polícia militar ao local para uma abordagem. De fato, a situação precisava ser vista por autoridades competentes. A erotização precoce também estava escancarada.

Uma situação que deveria ir além da abordagem pela PM, pois não vimos por parte do poder público qualquer manifestação, ao longo dos últimos meses, ou principalmente agora diante da repercussão nas redes sociais.

É lógico que não devemos permitir que eventos e encontros de adolescentes descambem para consumo de álcool e drogas, mas quais as opções de lazer (entre outras oportunidades) foram oferecidas? A periferia está esquecida. Gestão não é só calçamento.

O Parque Euclides Dourado está saturado, tem viés de classe média e não atende este público, órfão de programas como o Prefeitura Presente, e só foram enxergados por que vieram para o centro da cidade. São jovens influenciados pela mídia que precisam de oportunidades, ou verão muitas vezes a polícia em suas vidas.

Aliás, a Polícia Militar fez a parte dela, tanto na abordagem quanto na prevenção, faltam os outros responsáveis por esta demanda social.

Nos EUA, Paulo Câmara apresenta as ações bem sucedidas em Pernambuco na preservação ambiental

Ao participar da 11ª Semana do Clima, em Nova Iorque, governador debate com líderes de outros países questões essenciais como redução de carbono e combate à desertificação




Como representante dos nove Estados do Nordeste e mais o Espírito Santo, o governador Paulo Câmara participou, nesta segunda-feira (23.09), do primeiro dia de atividades da 11ª Semana do Clima, em Nova Iorque, Estados Unidos. Além da cerimônia oficial de abertura do evento, o governador também manteve um encontro com representantes da US Climate Alliance, grupo formado por representantes dos governos de 25 estados norte-americanos.

"Fizemos uma apresentação sobre o trabalho integrado da região Nordeste em favor de um desenvolvimento sustentável e de resposta às mudanças climáticas", explicou Paulo Câmara, que também expôs aos participantes do encontro o trabalho que vem sendo desenvolvido em Pernambuco na área de preservação ambiental, a exemplo das novas unidades de conservação (Caatinga e Mata Atlântica) e do incentivo à produção e à utilização de energias renováveis.

"Em Pernambuco, estamos trabalhando com foco em reduzir a emissão de carbono com a ampliação das áreas de preservação do Estado e o manejo responsável da Caatinga, visando barrar a desertificação, e com ações inovadoras como o Programa Carbono Zero, que até 2030 vai retirar todos os carros movidos à combustão na Ilha de Fernando de Noronha", acrescentou o governador

Por último, Paulo Câmara voltou a reforçar a necessidade de uma integração o mais ampla possível em torno de uma agenda que dialogue com o futuro. "Esperamos que seja uma semana muito produtiva, com avanços voltados para o curto e longo prazos nesse tema do meio ambiente, que exige atenção do poder público e de toda a sociedade", concluiu.

DESTAQUES DO BLOG

Direitos do Autor

Copyright 2014 – RONALDO CESAR CARVALHO – Para a reprodução de artigos originais assinados pelo autor deste blog em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,é exigida a exibição do link da postagem original ou do blog.