GOVERNO DO ESTADO

sexta-feira, 25 de junho de 2021

Ao aliar corrupção e vacina, Covaxingate aproxima Bolsonaro do impeachment





O caso Covaxin é, entre todas as bombas já detectadas no Palácio do Planalto, a de maior potencial explosivo até hoje. A opinião é da colunista Thaís Oyama.

Resumidamente, um funcionário do ministério da Saúde denunciou ao presidente da República que foi pressionado a autorizar a importação de vacinas que, além de custarem 50% mais que as da Pfizer, estavam com data de validade próxima do vencimento, implicavam pagamento antecipado e não se enquadravam nas regras da Anvisa.

Diante da denúncia, Bolsonaro não tomou nenhuma providência clara nem enérgica. A investigação do que já vem sendo profeticamente chamado de Covaxingate mal começou.

Mas já está no ar uma pergunta objetiva e crucial à espera de resposta: Bolsonaro determinou que a Polícia Federal investigasse a denúncia feita pelo servidor Luis Ricardo Miranda e seu irmão deputado?

"Se não fez isso, prevaricou. Se fez, quem prevaricou foi a PF, na pessoa do seu diretor-geral, Rolando Alexandre", escreveu Thaís.

Há no Covaxingate algumas particularidades que trazem o risco de impeachment a Bolsonaro. Na visão de um ex-ministro e arguto estrategista político, a primeira delas é o fato de o episódio envolver dois temas de altíssima sensibilidade para a opinião pública: a suspeita de corrupção e a presença, no centro de tudo, da vacina.

UOL

Direitos do Autor

Copyright 2014 – RONALDO CESAR CARVALHO – Para a reprodução de artigos originais assinados pelo autor deste blog em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,é exigida a exibição do link da postagem original ou do blog.