PE CONTRA O CORONAVÍRUS

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

ADRIANO OLIVEIRA: Análise de Conjuntura: As manifestações e as eleições‏



A interpretação equivocada dos fenômenos sociais conduz a compreensão errada da conjuntura. Quando atores políticos e estrategistas cometem erros interpretativos tendem a construir estratégias eleitorais ineficazes. As manifestações de junho de 2013 foram submetidas a diversas interpretações equivocadas. Em razão disto, o que fora previsto logo após as manifestações, não veio a se consolidar em dezembro de 2013.

Após as manifestações de junho, os interpretes apressados frisaram que a presidente Dilma Rousseff não recuperaria a sua popularidade.Primeiro equivoco. Ela recuperou parte da sua aprovação em dezembro de 2013. Os apressados também salientaram que as manifestações provocaram a queda da popularidade da presidente da República. Fato. Mas não frisaram, assim como bem demonstraram várias pesquisas, que gestores diversos tiveram queda da popularidade. Segundo equivoco. E o terceiro equivoco foi não fazer a pergunta vital: Por que as classes C e D não participaram majoritariamente das manifestações?

As manifestações de junho de 2013 foram fenômenos fortemente segmentados – conforme sugerem as pesquisas. Neste caso, indivíduos pertencentes às classes A e B, na faixa etária de 18 a 35 e com nível superior, participaram majoritariamente das manifestações. Por outro lado, esses eventos foram fenômenos que conquistaram majoritário apoio da população brasileira.


O vetor causal desses eventos foi o aumento da passagem de ônibus ocorrido em São Paulo. Após várias manifestações, ocorreu o “efeito manada”, ou seja, outras pessoas de várias capitais organizaram manifestações, as quais tiveram pautas diversas, já que quando elas ocorreram, o aumento da tarifa de ônibus tinha sido revogado em várias cidades. 

As ações violentas praticadas por manifestantes em junho de 2013 foram reprovadas pela população. A opinião pública apoiou as manifestações, mas não chancelou atos de violência. No final de junho de 2013, pesquisa do Datafolha realizada na cidade de São Paulo revelou que 89% dos paulistanos eram favoráveis às manifestações. Em setembro, o porcentual foi de 74% e em outubro, 66% apoiavam esses protestos. O Datafolha revelou também que em outubro de 2013, 9 entre cada 10 paulistanos entrevistados eram contrários às manifestações violentas.

O Instituto de Pesquisa Mauricio de Nassau (IPMN) em pesquisa realizada em novembro de 2013 revelou que: 1) 43,3% dos recifenses concordam com as novas manifestações ocorridas no segundo semestre de 2013; 2) 82,7% dos recifenses não pretendem participar de manifestações em 2014; 3) e 92,2% reprovam atos de violência nesses protestos.

Os argumentos e dados apresentados sugerem que os candidatos a presidente da República devem ficar atentos às consequências eleitorais das possíveis manifestações que irão ocorrer em 2014. Tenho a hipótese de que elas irão acontecer, mas esvaziadas e com reduzido apoio popular, em razão dos atos de violência. E outra hipótese: a morte do cinegrafista Santiago Dantas aumentará a desaprovação da opinião pública para com elas. Portanto, interpretar adequadamente o que acontece na conjuntura e criar cenários são caminhos adequados para a construção de estratégias eleitorais eficazes.

Adriano Oliveira – Doutor em Ciência Política. 38 anos. Professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Sócio da Contexto Estratégia. Autor de variados artigos e livros sobre o comportamento do eleitor brasileiro. Dentre os quais: Eleições e pesquisas eleitorais - Desvendando a Caixa-Preta, Editora Juruá, 2012. 

Direitos do Autor

Copyright 2014 – RONALDO CESAR CARVALHO – Para a reprodução de artigos originais assinados pelo autor deste blog em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,é exigida a exibição do link da postagem original ou do blog.