PE CONTRA O CORONAVÍRUS

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

PAULO CAMELO: Não será possível mudar Garanhuns com a ingerência da Legião Estrangeira

Paulo Camelo, PSOL Garanhuns
As eleições de 2014, elevaram a superfície de forma brutal a ausência de representatividade política da nossa querida, amada e explorada Garanhuns. Cidades menores, como Arcoverde, Pesqueira, Serra Talhada, Floresta, Afrânio, Sertânia, Itaíba, Canhotinho, etc, elegeram seus representantes para a Assembléia Legislativa de Pernambuco, e para a Câmara Federal. Votos foram depositados em demasia para políticos que não têm vínculo com a nossa cidade, apesar de forçarem a natureza, além, é claro, de representarem os interesses da Burguesia. 

Não é à toa que diversos políticos da Legião Estrangeira, dos mais diferentes matizes, encontram em nosso município um enorme campo, fértil, para prosseguirem com os seus intentos de ocuparem e tomarem a nossa cidade. Evidentemente com a “benção” de alguns que aqui residem.

A ausência de um Líder Burguês, a exemplo do empresário, falecido, Vavá Moraes, tem deixado ÓRFÃO, os defensores do capital, ou seja, à Direita. Afinal, quando for concluído o primeiro, espero que último mandato do prefeito Izaías Régis, completará 40 anos consecutivos que Garanhuns elegeu seu último Prefeito, natural de nossa cidade, o conterrâneo Amílcar da Mota Valença. Certamente que isso não ocorre nas cidades que mais crescem em Pernambuco, ou seja, Caruaru e Petrolina. 

Em conformidade com a premissa em tela, o mandato de Amílcar, terminou em 1976 e de lá para cá tivemos não só Prefeitos, mas, também, Vice-Prefeitos de outras cidades, a saber: 

Prefeito, Ivo Amaral, natural de Lajedo/PE, período de 1977 a 1982;

Prefeito, José Inácio Rodrigues, natural de São Paulo/SP, período de 1983 a 1988;

Prefeito, Ivo Amaral, natural de Lajedo/PE, período de 1989 a 1992;

Prefeito, Bartolomeu Quidute, natural de Flores/PE, período de 1993 a 1996;

Prefeito, Silvino Duarte, natural de Princesa Izabel/PB, períodos de 1997 a 2000 e de 2001 a 2004;

Prefeito, Luiz Carlos, natural de Calçados/PE, períodos de 2005 a 2008 e de 2009 a 2012;

Prefeito, Izaías Régis, natural de Terezinha/PE, período de 2013 a 2016. 

AGORA DURMA COM ESSA BRONCA E PORQUE NÃO DIZER, COM ESSA BOBICE DOS NOSSOS CONTERRÂNEOS. 

Passado as eleições de 2014, a vida volta ao normal e, além da luta diária pela sobrevivência, continua a luta para superarmos os problemas que afligem a vida dos mais pobres, especialmente daqueles que residem na periferia da cidade e no campo.

Os indicadores sócio-econômicos de nossa cidade, não são nada animadores: poucas indústrias, desemprego, falta de perspectiva para a juventude, lojas fechadas, insegurança, violência, trânsito caótico, escassez de política pública, saúde precária, remessa de lucros para outros centros de negócio, FAMEG sem funcionar, municipalização da educação, ausência de lazer, aluguéis altos e valores exorbitantes dos imóveis à venda, além da problemática nacional com a alta dos preços, e a inflação, que corrói os salários dos trabalhadores. 

Some-se a tudo isso, a ausência de política para a enorme população flutuante, as agressões ao meio-ambiente e de termos que ouvir as BRAVATAS do prefeito Izaías Régis e de assistirmos a ousadia da Legião Estrangeira, procurando intervir na escolha do Presidente da Câmara dos Vereadores de Garanhuns.

O governo Izaías, e a oposição conservadora do vereador Sivaldo Albino, apesar de se engalfinharem na disputa eleitoral, defendem as mesmas políticas: a política dominadora da Legião Estrangeira. Afinal, o prefeito Izaías, apresentou o seu afilhado e candidato a Deputado Federal, Jorge Corte Real, e o vereador Sivaldo, apresentou o seu neófito correligionário, o candidato a Deputado Federal, Fernando Monteiro.

Não será possível mudar o Garanhuns, assegurando vida digna para os nossos conterrâneos, enquanto estivermos atrelados aos políticos da Legião Estrangeira. Porquê o trabalho ora desenvolvido pela Legião Estrangeira, consiste em dominar os nossos conterrâneos e manter a nossa cidade sem representação política a altura da sua própria história. Quem não conhece Garanhuns, certamente não se lembra de Souto Filho, Amílcar, Cristina Tavares, Elpídio Branco, Coronel Figueira, Abdias Branco, Aluíso Souto Pinto, Humberto de Moraes, Otoniel Gueiros e tantos outros. Além do ex-presidente Lula, e do senador do PSOL do Amapá, Randolphe Rodrigues. Mas, como diz o radialista da Marano, Marcos Cardoso, só lembrança. 

Igualmente esquecidos, são aqueles que produzem as nossas riquezas, ou seja, os trabalhadores do campo e da cidade.

As mudanças que precisamos, ora exigidas pelos nossos conterrâneos, não acontecerão pela via de disputa interna na Câmara dos Vereadores, e nem tão pouco pelo governo das elites e da Legião Estrangeira, sob o comando do prefeito Izaías Régis, ou de alguns políticos e parlamentares oriundos de outras cidades, mas pela ação direta dos nossos conterrâneos, os quais devem, em primeiro lugar, vestir a camisa da nossa cidade, culminado com o incremento da auto-estima do nosso povo que aqui reside. Evidentemente que é apenas o primeiro passo rumo a nossa libertação, uma vez que a organização política dos nossos conterrâneos, é essencial na luta pelas mudanças ora necessárias. 

Gestões da Legião Estrangeira, a qual domina os principais setores da Prefeitura e da Política, sempre foram ações que nunca tiveram compromisso com o povo. Os governos dos ex-prefeitos Silvino Duarte, natural de Princesa Izabel/PB, e Luiz Carlos, natural de Calçados/PE, adotaram o mesmo caminho, virando as costas para os nossos conterrâneos, perdendo, empreendimentos de porte, durante o período de seus governos municipais, 2 e 6 anos, respectivamente, cujo governo federal era administrado pelo ex-presidente Lula. A situação é tão crítica que os políticos da cidade, mesmo sendo representantes da burguesia, não têm, de há muito tempo, o mínimo acesso ao governo do Estado de Pernambuco, seja o ex-governador Eduardo Campos, o atual governador João Lyra Neto e agora o governador eleito Paulo Câmara. 

Precisamos de um governo municipal dos trabalhadores, dos nossos conterrâneos, que rompa com a Legião Estrangeira e com seus representantes residentes em Garanhuns. Um governo que seja apoiado pelos Garanhuenses autênticos. Não precisamos importar representação política, apesar de Garanhuns ser uma cidade cosmopolita. 

Só assim será possível atender às demandas da população e garantir, enfim, um Garanhuns justo. É a serviço dessa estratégia que estarão às ações do PSOL: UM PARTIDO NECESSÁRIO.

TENHO DITO.

Paulo Camelo de Holanda Cavalcanti,
Engenheiro Civil e militante do PSOL Garanhuns/PE

Direitos do Autor

Copyright 2014 – RONALDO CESAR CARVALHO – Para a reprodução de artigos originais assinados pelo autor deste blog em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,é exigida a exibição do link da postagem original ou do blog.